Uma revisão de 166 estudos independentes confirma que vacinas são seguras e efetivas

0
2967
Julio Valenzuela, 11, faz uma careta ao ser vacinado em uma clínica de imunização gratuita para estudantes antes do ensino letivo. Créditos: Robyn Beck/AFP/Getty

Elas podem até doer, mas são totalmente seguras.

Já foi bem estabelecido que o método das vacinas comumente usado para imunizar crianças é seguro, efetivo e previne potenciais doenças letais. Mas, por causa da persistência de desinformação sobre os riscos das vacinas – e o perigo causado pelos pais que escolhem não vacinar os seus filhos -, um grupo de pesquisadores decidiu conduzir uma revisão sistemática de todos os estudos controlados sobre vacinas na área científica.

A sua conclusão, de uma vez por todas: as vacinas são seguras e efetivas.

O QUE OS PESQUISADORES ENCONTRARAM?

Os pesquisadores, da corporação RAND, pesquisaram dados na literatura científica sobre estudos relacionados à vacina, somando 20.478 no total. Entre eles, estavam incluídos tanto estudos sobre vacinas em crianças – tal como as de tétano, hepatite A e B, gripe, meningite, rubéola, difteria, caxumba, sarampo, coqueluche – quanto sobre vacinas em adultos, tal como a da gripe.

A partir daí, eles se focaram em 166 estudos controlados – de padrão-ouro na comunidade científica – com a finalidade de comparar diretamente os efeitos de estar sendo vacinado com os efeitos de sucumbir ao placebo ou de não se vacinar.

Descobriram, então, que as vacinas comumente propostas para adultos e crianças nos Estados Unidos são todas seguras e efetivas. Crucialmente, não há nenhuma relação entre vacinas infantis o autismo. Em outras palavras, crianças que não tomaram a vacina MMR (a qual tem sido clamada como a causadora do autismo) foram diagnosticadas com autismo nas mesmas taxas das crianças que tomaram a vacina.

Algumas das vacinas foram identificadas com efeitos colaterais leves, como por exemplo a vacina contra a gripe que pode provocar uma febre de curto-prazo e dor no local da injeção. Algumas outras vacinas em particular foram identificadas por efeitos mais sérios, porém extremamente raros. A vacina MMR, por exemplo, pode causar ocasionais crises alérgicas (para crianças que são alérgicas, obviamente, a substâncias presentes na vacina) e convulsões febris (convulsões relativamente comuns provocadas por febres de alta temperatura). Mas as reações alérgicas podem ser geralmente identificadas com antecedência e serem devidamente controladas durante o processo de vacinação e as comuns crises de convulsão não são nada quando se compara ao risco posterior de não se vacinar contra doenças letais.

A pesquisa é clara: vacinas não são apenas seguras, mas necessárias para todas as crianças.

MAS NÓS JÁ SABÍAMOS DE TUDO ISSO

Essa certamente não é a primeira vez que pesquisadores olham rigorosamente para a literatura científica e chegam a essa conclusão.

Então por que estamos fazendo isso? Em grande parte, por causa da recente onda de ativistas anti-vacinação, que têm usado a pseudociência e a desinformação para alertar contra os “perigos” das vacinas. Isso teve como consequência surtos de coqueluche, caxumba e sarampo, pondo as crianças em risco por absolutamente razão alguma.

Mas, novamente, a pesquisa é definitiva: vacinas não causam autismo e os efeitos colaterais delas são claramente menores do que aqueles que seriam causados pelas doenças letais se o indivíduo não fosse vacinado.

QUEM SE OPÕE À VACINAÇÃO?

Alguns grupos se opõem à vacinação – ou ao menos ao esquema atual de vacinação infantil – e se preocupam com a possibilidade das vacinas levarem à problemas de longo-prazo, particularmente o autismo.

Jennu McCarthy, co-apresentador do The View, se tornou bem conhecido no movimento de anti-vacinação depois que o seu filho foi diagnosticado com autismo. McCarthy, que lidera o Generation Rescute, clama sobre o aumento de diagnóstico do autismo coincidindo com uma campanha de vacinação mais agressiva para as crianças estadunidenses.

Charge da Revolta da Vacina, que aconteceu em 104, contra a campanha de vacinação obrigatória contra a varíola, liderada pelo médico Oswaldo Cruz.
Charge da Revolta da Vacina, que aconteceu em 104, contra a campanha de vacinação obrigatória contra a varíola, liderada pelo médico Oswaldo Cruz.

Em resposta, alguns acusam as reinvidicações de McCarthy como uma simples falha de entendimento de correlação e causa. A atual pesquisa científica também não encontra nenhuma relação entre vacinas e autismo;

Os movimentos anti-vacinação não são novos: eles datam do século XIX, com o advento da vacina contra a varíola. Alguns clérigos cristãos diziam que a campanha violava os princípios religiosos porque usava partes de animais para desenvolver o produto. Já outros expressavam uma desconfiança persistente para a medicina. Ainda outros se opuseram porque diziam que o governo estava violando as liberdades pessoais.

A vacina contra a varíola nunca levou a tais resultados. Ao invés disso, a Organização Mundial de Saúde, em 1979, proclamou que a doença tinha sido erradicada em todo mundo, principalmente por causa da inoculação generalizada da vacina.


Traduzido e adaptado do artigo publicado no site do Vox, em 11 de Julho de 2014, com título A review of 166 independent studies confirms vaccines are safe and effective

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorMaior dinossauro voador é encontrado e… ele tinha QUATRO ASAS!
Próximo artigoAos 79 anos de idade, morre o Astrônomo Ronaldo Mourão
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 17 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para os sites das organizações Universo Racionalista, Ciência e Astronomia, Climatologia Geográfica e NetNature, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, as que mais simpatizo em postar são aquelas que contradizem o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me torna digno de ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz