O Paradoxo de Fermi

48
19482
Enrico Fermi

Artigo traduzido de Wait But What. Autor: Tim Urban.

(Se você gostou deste artigo, inscreva-se no Wait But What para receber os posts semanais via e-mail)

 

Todos sentem alguma coisa quando estão numa noite muito estrelada, olham para cima e veem o seguinte:

1

Algumas pessoas ficam com o tradicional, sentindo-se impressionadas com a beleza épica ou encantadas com a escala insana do universo. Pessoalmente, eu vou para a velha “crise existencial seguida de agir estranho pela próxima meia hora”. Mas todo mundo sente alguma coisa.

O físico Enrico Fermi sentiu algo também – “Onde está todo mundo?”.


Um céu realmente estrelado parece muito grande, mas tudo o que estamos vendo é apenas o nosso bairro local. Nas melhores noites, podemos ver até cerca de 2500 estrelas (cerca de um centésimo de milionésimo das estrelas em nossa galáxia), e quase todas elas estão a menos de mil anos-luz de distância de nós (ou 1% do diâmetro da Via Láctea). Então, o que nós realmente estamos vendo é o seguinte:

2a

Quando confrontados com o tema de estrelas e galáxias, uma pergunta que atormenta a maioria dos seres humanos é: “Existe outra vida inteligente lá fora?” Vamos colocar alguns números para isso (se você não gosta de números, basta ler o que está em negrito).

A partir do número de estrelas que existem em nossa galáxia (100 – 400 bilhões), há cerca de um igual número de galáxias no universo observável, por isso para cada estrela na colossal Via Láctea, há uma galáxia inteira lá fora. Todas juntas contabilizam o intervalo normalmente citado entre e estrelas no total, o que significa que, para cada grão de areia na Terra, há 10 mil estrelas lá fora.

O mundo da ciência não está em total acordo sobre qual a porcentagem dessas estrelas são “como o Sol” (similar em tamanho, temperatura e luminosidade) – opiniões geralmente variam de 5% a 20%. Indo com o lado mais conservador (5%) e com a extremidade inferior para o número das estrelas totais (), temos 500 quintilhões ou 500 bilhões de bilhões de estrelas como o Sol.

Há também um debate sobre qual a porcentagem dessas de estrelas como o Sol pode ser orbitada por um planeta como a Terra (com condições de temperatura similares que poderia ter água em estado líquido e, potencialmente, sustentar a vida semelhante à da Terra). Alguns dizem que é tão alta quanto 50%, mas vamos com o mais conservador de 22% que saiu de um estudo recente do PNAS. Isso sugere que há um planeta como a Terra potencialmente habitável ​​em órbita de pelo menos 1% do total de estrelas no universo, dando um total de 100 bilhões de bilhões de planetas como a Terra.

Portanto, há 100 planetas como a Terra para cada grão de areia do mundo. Pense nisso na próxima vez que você estiver na praia.

Seguindo em frente, não temos escolha a não ser especular. Vamos imaginar que, depois de bilhões de anos de existência, 1% dos planetas semelhantes à Terra desenvolvem vida (se isso é verdade, cada grão de areia representaria um planeta com vida nele). E imagine que, em 1% desses planetas, a vida avança para um nível inteligente como ele fez aqui na Terra. Isso significaria que há 10 quatrilhões, ou 10 milhões de bilhões de civilizações inteligentes no universo observável.

Voltando a apenas a nossa galáxia, e fazendo a mesma matemática na estimativa mais baixa de estrelas na Via Láctea (100 bilhões), nós estimamos que haja 1 bilhão de planetas semelhantes à Terra e 100 mil civilizações inteligentes em nossa galáxia.

O SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) é uma organização dedicada à escuta de sinais vindos de outras formas de vida inteligente. Se estivermos certos de que há 100 mil ou mais civilizações inteligentes em nossa galáxia, e inclusive uma fração delas estão enviando ondas de rádio, raios laser ou outros meios de tentar entrar em contato com as outras civilizações, o conjunto de satélites do SETI não deveria pegar todo tipo de sinal?

Mas ele não pegou. Nem um. Nunca.

Onde estão todos?

Isso é estranho. Nosso Sol é relativamente jovem no tempo de vida do universo. Há estrelas muito mais velhas com planetas semelhantes à Terra muito mais velhos, o que deve, em teoria, significar civilizações muito mais avançadas do que a nossa. Como exemplo, vamos comparar nossa Terra de 4,54 bilhões de anos com um hipotético Planeta X de 8 bilhões anos.

3a

Se o Planeta X tem uma história semelhante à da Terra, vamos olhar para onde a sua civilização estaria hoje (usando o período de tempo laranja como uma referência para mostrar o quão grande o período de tempo verde é):

4a

A tecnologia e o conhecimento de uma civilização com apenas 1000 anos a mais que nós poderiam ser tão chocantes para nós como o nosso mundo seria para uma pessoa medieval. Uma civilização 1 milhão de anos à frente de nós pode ser tão incompreensível para nós como a cultura humana é para os chimpanzés. E o Planeta X está 3,4 bilhões anos à nossa frente…

Há algo chamado Escala de Kardashev, que nos ajuda a agrupar civilizações inteligentes em três grandes categorias pela quantidade de energia que utilizam:

Uma Civilização Tipo I tem a capacidade de usar toda a energia em seu planeta. Nós não somos uma boa Civilização Tipo I, mas estamos perto (Carl Sagan criou uma fórmula para essa escala que nos coloca em uma Civilização do Tipo de 0,7).

Uma Civilização Tipo II pode aproveitar toda a energia de sua estrela hospedeira. Nossos cérebros fracos do Tipo I mal podem imaginar como alguém poderia fazer isso, mas nós tentamos o nosso melhor, imaginando coisas como uma Esfera de Dyson.

5a

Uma Civilização Tipo III manda os outros dois tipos para longe, acessando um poder comparável ao de toda a Via Láctea.

Se este nível de avanço parece difícil de acreditar, lembre-se do Planeta X citado acima e seus 3,4 bilhões anos de maior desenvolvimento. Se uma civilização no Planeta X foi semelhante à nossa e foram capazes de sobreviver até ao nível do Tipo III, o pensamento natural é que eles provavelmente dominaram a viagem interestelar, possivelmente até colonizando a galáxia inteira.

Uma das hipóteses sobre a forma como a colonização da galáxia poderia acontecer é através da criação de máquinas que podem viajar para outros planetas, gastar 500 anos mais ou menos se auto-replicando, utilizar as matérias-primas em seu novo planeta, e em seguida, enviar duas réplicas para fazer a mesma coisa. Mesmo sem viajar perto da velocidade da luz, este processo poderia colonizar toda a galáxia em 3,75 milhões anos, um piscar de olhos quando se fala na escala de bilhões de anos:

6a

Continuando a especular, se 1% de vida inteligente sobrevive tempo suficiente para se tornar uma Civilização Tipo III potencialmente colonizadora da galáxia, nossos cálculos acima sugerem que deve haver pelo menos 1000 Civilizações Tipo III em nossa galáxia – e dado o poder de tal civilização, a sua presença provavelmente seria bastante perceptível. E, no entanto, não vemos nada, não ouvimos nada e não somos visitados por ninguém.

Então, onde está todo mundo?


Bem-vindo ao Paradoxo de Fermi.

Nós não temos nenhuma resposta para o Paradoxo de Fermi – o melhor que podemos fazer é dar “possíveis explicações”. E se você perguntar a dez diferentes cientistas seu palpite sobre qual está correta, você vai ter dez respostas diferentes. Sabe quando você ouve sobre os seres humanos do passado que debatiam se a Terra era redonda ou se o Sol girava em torno da Terra, ou pensavam que raios aconteciam por causa de Zeus, e eles nos parecem tão primitivos e na escuridão? Assim estamos neste tópico.

Ao olhar algumas das possíveis explicações mais discutidas para o Paradoxo de Fermi, vamos dividi-las em duas grandes categorias – aquelas explicações que assumem que não há nenhum sinal de Civilizações Tipo II e Tipo III porque não há nenhuma delas lá fora, e aquelas que assumem que elas estão lá fora, e nós não estamos vendo ou ouvindo qualquer coisa por outras razões:

Grupo de Explicação 1: Não há sinais de civilizações superiores (Tipo II e III) porque não existem civilizações superiores.

Aquelas que se enquadram nas explicações do Grupo 1 apontam para algo chamado o problema da não-exclusividade, que rejeita qualquer teoria que diz: “Há civilizações mais elevadas, mas nenhuma delas fez qualquer tipo de contato com a gente, porque todas elas _____.” As pessoas do Grupo 1 olham para a matemática, que diz que deve haver tantos milhares (ou milhões) de civilizações superiores, e que pelo menos uma delas seria uma exceção à regra. Mesmo se uma teoria diga que 99,99% das civilizações são mais elevadas, as outras 0,01% se comportariam de forma diferente e nós estaríamos conscientes de sua existência.

Portanto, como dizem as explicações do Grupo 1, não deve haver civilizações super-avançadas. E uma vez que a matemática sugere que há milhares delas apenas em nossa própria galáxia, algo mais deve estar acontecendo.

Esse algo mais é chamado de O Grande Filtro.

A teoria do Grande Filtro diz que em algum momento entre a pré-vida e o Tipo III de inteligência, há uma parede que todas ou quase todas as tentativas de vida atingem. Há algum momento em que o longo processo evolutivo é extremamente improvável ou impossível para a vida ultrapassar. Essa fase é o Grande Filtro.

7a

Se essa teoria for verdadeira, a grande questão é: onde na linha do tempo o Grande Filtro ocorre?

Acontece que, quando se trata do destino da humanidade, esta questão é muito importante. Dependendo de onde ocorre o Grande Filtro, nos restam três realidades possíveis: somos raros, somos os primeiros, ou estamos ferrados.

1. Somos Raros (O Grande Filtro está atrás de nós)

Uma esperança que temos é de que o Grande Filtro já tenha passado – nós conseguimos ultrapassá-lo, o que significa que é extremamente raro para a vida atingir o nosso nível de inteligência. O diagrama abaixo mostra apenas duas espécies no passado, e nós somos uma delas.

8a

Este cenário poderia explicar por que não há Civilizações Tipo III… Mas também significa que nós poderíamos ser uma das poucas exceções que chegaram até aqui. Isso significaria que temos esperança. Superficialmente, isso soa um pouco como as pessoas há 500 anos, sugerindo que a Terra fosse o centro do universo – isso implica que somos especiais. No entanto, algo que os cientistas chamam de “efeito de seleção de observação”, sugere que qualquer pessoa que está a ponderar a sua própria raridade é parte inerente de uma “história de sucesso” da vida inteligente – e se elas são realmente raras ou muito comuns, os pensamentos que ponderam e as conclusões que tiram serão idênticos. Isso nos obriga a admitir que ser especial é pelo menos uma possibilidade.

E se nós somos especiais, quando, exatamente, nos tornamos especiais – ou seja, qual o passo que nós superamos e que quase todo mundo fica preso?

Uma possibilidade: o Grande Filtro poderia estar bem no início – pode ser extremamente incomum para a vida começar. Isso é uma possibilidade porque levou cerca de um bilhão de anos de existência da Terra para finalmente a vida acontecer, e porque nós temos tentado extensivamente replicar o evento em laboratório e nunca fomos capazes de fazê-lo. Se este for realmente o Grande Filtro, isso significaria que não só não há vida inteligente lá fora, pode não haver nenhuma outra vida.

Outra possibilidade: o Grande Filtro poderia ser o salto da célula procariota simples para a célula eucariota complexa. Quando os procariotas surgiram, eles permaneceram assim durante quase dois bilhões de anos antes de darem o salto evolutivo para se tornarem complexos e terem um núcleo. Se este é o Grande Filtro, isso significaria que o universo está repleto de células procariotas simples e quase nada além disso.

Há uma série de outras possibilidades, alguns até acham que o salto mais recente que fizemos na nossa inteligência atual é um candidato ao Grande Filtro. Enquanto o salto de vida semi-inteligente (chimpanzés) para vida inteligente (seres humanos) não parece à primeira vista como um passo milagroso, Steven Pinker rejeita a ideia de uma inevitável “escalada ascendente” da evolução: “Uma vez que a evolução não se esforça para uma meta, mas somente acontece, ela usa a adaptação mais útil para um determinado nicho ecológico, e o fato de que, na Terra, isso levou à inteligência tecnológica única vez até agora, pode sugerir que este resultado da seleção natural é raro e, portanto, não significa um certo desenvolvimento da evolução de uma árvore da vida”.

A maioria dos saltos não se qualifica como candidato a Grande Filtro. Qualquer possível Grande Filtro deve ser coisa do tipo um-em-um-bilhão, onde uma ou mais ocorrências totalmente arrepiantes precisam acontecer para fornecer uma louca exceção. Por essa razão, algo como o salto da vida unicelular para a vida pluricelular é descartado, porque isso ocorreu até 46 vezes, em casos isolados, apenas neste planeta. Pela mesma razão, se encontrássemos uma célula eucariota fossilizada em Marte, ela iria se encaixar no “de célula simples à célula complexa”, excluindo isso como um possível Grande Filtro (assim como nada antes desse ponto da cadeia evolutiva) – porque se isso aconteceu na Terra e em Marte, não é certamente uma ocorrência anormal de um-em-um-bilhão.

Se formos realmente raros, pode ser por causa de um evento biológico ocasional, mas também pode ser atribuído ao que é chamado de Hipótese da Terra Rara, o que sugere que, embora possa haver muitos planetas como a Terra, as condições particulares da Terra – seja relacionada com as especificidades deste sistema solar, a sua relação com a Lua (uma lua tão grande é incomum para um planeta tão pequeno e contribui para as nossas condições climáticas e oceânicas particulares), ou algo sobre o próprio planeta em si – são excepcionalmente amigáveis à vida.

2. Somos os primeiros

9a

Para os pensadores do Grupo 1, se o Grande Filtro não ficou para trás, a única esperança que temos é que as condições no universo apenas recentemente, pela primeira vez desde o Big Bang, atingiram um estágio que permite o desenvolvimento da vida inteligente. Nesse caso, nós e muitas outras espécies podemos estar a caminho da super-inteligência, e isso simplesmente não aconteceu ainda. Aparecemos aqui no momento certo para nos tornar uma das primeiras civilizações super-inteligentes.

Um exemplo de um fenômeno que poderia tornar isso realista é a prevalência de explosões de raios gama, explosões insanamente enormes que temos observados em galáxias distantes. Da mesma forma que isso tomou algumas centenas de milhões de anos da Terra antes dos asteróides e vulcões acalmarem e a vida tornar-se possível, pode ser que a primeira parte da existência do universo foi cheia de eventos cataclísmicos, como explosões de raios gama que teriam incinerado tudo nas proximidades de tempos em tempos e evitando o desenvolvimento de qualquer forma de vida após um certo estágio. Agora, talvez, nós estamos no meio de uma transição de fase astrobiológica e esta é a primeira vez que uma vida tem sido capaz de evoluir por tanto tempo ininterrupto.

3. Estamos ferrados (O Grande Filtro está à nossa frente)

10a

Se não somos raros nem somos os primeiros, os pensadores do Grupo 1 concluíram que o Grande Filtro deve estar em nosso futuro. Isto sugere que a vida evolui regularmente até onde estamos, mas que algo impede a vida de ir muito mais longe e atingir alta inteligência em quase todos os casos – e é improvável que sejamos uma exceção.

Um possível futuro Grande Filtro é um evento cataclísmico natural regular, como as explosões de raios gama acima mencionadas, a não ser que, infelizmente, um deles somente ainda não tenha terminado e é apenas uma questão de tempo antes de toda a vida na Terra ser subitamente dizimada. Outro candidato é a possível fatalidade que quase todas as civilizações inteligentes acabam destruindo a si mesmas quando certo nível de tecnologia é atingido.

É por isso que o filósofo Nick Bostrom da Universidade de Oxford diz que “não ter notícias é uma boa notícia”. A descoberta de vida simples, mesmo em Marte, seria devastadora, porque iria cortar um número de potenciais Grandes Filtros atrás de nós. E se encontrássemos vida complexa fossilizada em Marte, diz Bostrom “seria, de longe, a pior notícia já impressa em uma capa de jornal”, porque isso significaria que o grande filtro está quase definitivamente diante de nós – em última instância, condenando a espécie. Bostrom acredita que quando se trata do Paradoxo de Fermi “o silêncio do céu noturno é ouro”.

Grupo de Explicação 2: As civilizações inteligentes do Tipo II e III estão lá fora – e há razões lógicas para não temos ouvido falar delas.

O Grupo 2 de explicações se livra de qualquer noção de que somos raros ou especiais, ou os primeiro em alguma coisa – pelo contrário, eles acreditam no Princípio da Mediocridade, cujo ponto de partida é que não há nada de incomum ou raro com a nossa galáxia, sistema solar, planeta, ou o nível de inteligência, até que evidências provem o contrário. Eles também são muito menos rápidos ao supor que a falta de evidências de seres de inteligência superior é evidência de sua inexistência – enfatizando o fato de que nossa busca por sinais se estende a cerca de apenas 100 anos-luz de distância de nós (0,1% da galáxia) e sugerindo uma série de explicações possíveis. Aqui estão 10:

Possibilidade 1) A vida super-inteligente poderia muito bem já ter visitado a Terra, mas antes de estarmos aqui. No esquema das coisas, os seres humanos sencientes têm apenas cerca de 50 mil anos, um pequeno pontinho de tempo. Se o contato aconteceu antes disso, poderia ter feito alguns patos correm para fora da água e é isso. Além disso, a história registrada remonta a apenas 5500 anos – um grupo de antigas tribos de caçadores-coletores pode ter experimentado alguma merda estranha e louca, mas eles não tinham um boa maneira de contar a ninguém, no futuro, sobre o assunto.

Possibilidade 2) A galáxia foi colonizada, mas nós vivemos em alguma área rural desolada da galáxia. As Américas podem ter sido colonizadas pelos europeus muito antes que qualquer um em uma pequena tribo Inuit no norte do Canadá percebesse o que tinha acontecido. Poderia ser um componente de urbanização para as habitações interestelares de espécies mais desenvolvidas, nas quais todos os sistemas solares vizinhos em uma determinada área são colonizados e se comunicam, e isso seria impraticável e sem propósito para qualquer um lidar com qualquer parte aleatória da espiral em que vivemos.

Possibilidade 3) Todo o conceito de colonização física é um conceito hilário e ultrapassado para uma espécie mais avançada. Lembra-se da imagem da Civilização Tipo II com a esfera em torno de sua estrela? Com toda essa energia, eles poderiam ter criado um ambiente perfeito para si que satisfaz todas as suas necessidades. Eles podem ter formas loucas e avançadas de reduzir sua necessidade de recursos e pouco interesse em deixar sua utopia feliz para explorar o vazio e frio universo subdesenvolvido.

Uma civilização ainda mais avançada pode visualizar todo o mundo físico como um lugar horrivelmente primitivo, tendo eles há muito tempo superado sua própria biologia e carregado seus cérebros para um paraíso eterno numa realidade virtual. Viver no mundo físico da biologia, da mortalidade, dos desejos e necessidades pode parecer para eles o que as espécies oceânicas primitivas que vivem no mar escuro parecem para nós. Para seu interesse, pensar em outra forma de vida que superou a mortalidade me deixa incrivelmente ciumento e chateado.

Possibilidade 4) Há civilizações predadoras assustadoras lá fora, e a vida mais inteligente sabe que transmitir sinais é anunciar a sua localização. Este é um conceito desagradável e ajudaria a explicar a falta de quaisquer sinais sendo recebidos pelos satélites do SETI. Também significa que podemos ser os novatos superingênuos que estão sendo incrivelmente estúpidos e arriscados por sempre transmitir sinais exteriores. Há um debate sobre se devemos no engajar no METI (Messaging to Extraterrestrial Intelligence – o inverso do SETI) ou não, e a maioria das pessoas dizem que não devemos. Stephen Hawking adverte: “Se os alienígenas nos visitarem, o resultado seria parecido como quando Colombo desembarcou na América, o que não deu muito certo para os nativos americanos”. Mesmo Carl Sagan (um crente de que qualquer civilização avançada o suficiente para a viagem interestelar seria altruísta, não hostil) chamou a prática do METI de “profundamente imprudente e imatura”, e recomendou que “as crianças mais novas em um cosmos estranho e incerto devem ouvir em silêncio por um longo tempo, pacientemente aprender sobre o universo e comparar notas, antes de gritar em uma selva desconhecida”. Assustador.

Possibilidade 5) Há apenas uma instância de vida com inteligência superior – uma civilização “superpredadora” (como os seres humanos aqui na Terra) – que é muito mais avançada do que todo mundo e se mantém dessa maneira pelo extermínio de qualquer civilização inteligente assim que passam por um determinado nível. Isso seria um saco. O modo como isso pode funcionar é que o uso ineficaz de recursos extermina todas as inteligências emergentes, talvez porque a maioria morre por conta própria. Mas se passam certo ponto, os super-seres fazem sua jogada – porque, para eles, uma espécie inteligente emergente torna-se como um vírus, uma vez que começa a crescer e se espalhar. Esta teoria sugere que o primeiro na galáxia a alcançar a inteligência venceu, e agora ninguém mais tem uma chance. Isso explicaria a falta de atividade lá fora, porque existe apenas uma civilização super-inteligente.

Possibilidade 6) Há uma abundância de atividades e de barulho lá fora, mas a nossa tecnologia é muito primitiva e nós estamos prestando atenção nas coisas erradas. Como andar em um prédio de escritórios modernos usando um walkie-talkie, e quando você não ouve nada (é claro que você não vai ouvir porque todos estão mandando mensagens de texto, não usando walkie-talkies) determina que o prédio esteja vazio. Ou talvez, como Carl Sagan apontou, pode ser que nossas mentes funcionem exponencialmente mais rapidamente ou mais lentamente do que outra forma de inteligência lá fora – por exemplo, ela leva 12 anos para dizer “Olá”, e quando ouvimos a comunicação, soa como ruído branco para nós.

Possibilidade 7) Estamos recebendo contato de outras formas de vida inteligente, mas o governo está escondendo. Esta é uma teoria idiota, mas eu tinha de mencioná-la porque é muito falada.

Possibilidade 8) Civilizações mais elevadas estão conscientes de nós e estão nos observando (conhecida como “Hipótese do Zoológico”). Até onde sabemos, as civilizações super-inteligentes existem em uma galáxia fortemente regulamentada, e nossa Terra é tratada como parte de um parque nacional vasto, repleto de planetas como o nosso, e protegido, com uma estrita regra “Olhe, mas não toque”. Nós não os notamos porque se uma espécie muito mais inteligente quer nos observar, ela saberia fazer isso facilmente, sem que percebêssemos. Talvez haja uma regra semelhante à “Primeira Diretriz” de Star Trek, que proíbe os seres super-inteligentes de fazer qualquer contato aberto com espécies inferiores como nós ou se revelarem de alguma forma, até que as espécies inferiores atinjam certo nível de inteligência.

Possibilidade 9) Civilizações mais elevadas estão aqui, ao nosso redor. Mas nós somos muito primitivos para percebê-las. Michio Kaku resume tudo assim:

“Vamos dizer que temos um formigueiro no meio da floresta. E ao lado do formigueiro estão construindo uma super-rodovia de dez pistas. E a pergunta é “Será que as formigas são capazes de entender o que é uma super-rodovia de dez pistas? Será que as formigas são capazes de entender a tecnologia e as intenções dos seres que constroem a estrada ao lado delas?”

Portanto, não é que não possamos captar os sinais do Planeta X utilizando a nossa tecnologia, é que não podemos sequer compreender o que os seres do Planeta X são ou o que eles estão tentando fazer. Está tão além de nós que, mesmo se eles realmente queiram nos iluminar, seria como tentar ensinar formigas sobre a internet.

Nesse sentido, isso também pode ser uma resposta para “Bem, se há tantas Civilizações Tipo III sofisticadas, por que elas não nos contactaram ainda?”. Para responder a isso, vamos nos perguntar: quando Pizarro se dirigiu para o Peru, ele parou por um tempo em um formigueiro para tentar se comunicar? Ele foi magnânimo, tentando ajudar as formigas no formigueiro? Será que ele tornou-se hostil e atrasou sua missão original a fim de esmagar o formigueiro distante? Ou o formigueiro foi totalmente irrelevante para Pizarro? Essa poderia ser a nossa situação aqui.

Possibilidade 10) Estamos completamente errados sobre a nossa realidade. Há uma série de coisas que só poderiam estar totalmente além de tudo o que pensamos. O universo pode parecer de uma maneira e ser algo totalmente diferente, como um holograma. Ou talvez nós sejamos os aliens e fomos plantados aqui como uma experiência ou como uma forma de fertilizante. Há ainda uma chance de que somos todos parte de uma simulação de computador feita por algum pesquisador de outro mundo, e outras formas de vida simplesmente não estavam programadas na simulação.


À medida que continuamos nossa procura possivelmente fútil por inteligência extraterrestre, eu não tenho certeza pelo que estou torcendo. Francamente, saber tanto que estamos oficialmente sozinhos no universo ou que estamos oficialmente acompanhados por outros, seria assustador, seja com o tema de qualquer das histórias surreais listadas acima – seja qual for a verdadeira realidade, ela é extasiante.

Além do seu chocante componente de ficção científica, o Paradoxo de Fermi também me deixa com uma humildade profunda. Não apenas a humildade normal de “Oh sim, eu sou microscópico e minha existência dura por três segundos” que o universo sempre dispara. O Paradoxo de Fermi traz uma humildade mais pessoal, mais nítida, que só pode acontecer depois de passar horas de pesquisa ouvindo os cientistas mais renomados de suas áreas de estudo apresentarem teorias insanas, mudarem as suas mentes algumas vezes e descontroladamente contradizerem uns aos outros – lembrando que as futuras gerações vão olhar para nós da mesma forma que vemos os povos antigos que tinham certeza que as estrelas eram a parte inferior da cúpula do céu, e eles vão pensar “Uau eles realmente não tinham ideia do que estava acontecendo”.

Para piorar tudo está o golpe para a autoestima de nossa espécie que vem com toda essa conversa sobre Civilizações Tipo II e III. Aqui na Terra somos o rei do nosso pequeno castelo, legisladores orgulhosos do enorme grupo de imbecis que compartilham o planeta conosco. E nesta bolha sem concorrência e sem ninguém para nos julgar, é difícil nos confrontarmos com o conceito de sermos uma espécie dramaticamente inferior a alguma outra.

Dito isto, uma vez que minha visão normal é que a humanidade é uma órfã solitária em uma pequena pedra no meio de um universo desolado, o fato humilde de que provavelmente não somos tão inteligentes quanto pensamos que somos e a possibilidade de que uma grande quantidade do que temos certeza pode estar errado, soam maravilhosos. Eles abrem apenas uma fresta numa porta que talvez, apenas talvez, tenha mais nessa história do que imaginamos.

Fontes:

PNAS: Prevalence of Earth-size planets orbiting Sun-like stars

SETI: The Drake Equation

NASA: Workshop Report on the Future of Intelligence In The Cosmos

Cornell University Library: The Fermi Paradox, Self-Replicating Probes, and the Interstellar Transportation Bandwidth

NCBI: Astrobiological phase transition: towards resolution of Fermi’s paradox

André Kukla: Extraterrestrials: A Philosophical Perspective

Nick Bostrom: Where Are They?

Science Direct: Galactic gradients, postbiological evolution and the apparent failure of SETI

Nature: Simulations back up theory that Universe is a hologram

Robin Hanson: The Great Filter – Are We Almost Past It?

John Dyson: Search for Artificial Stellar Sources of Infrared Radiation

(Se você gostou deste artigo, inscreva-se no Wait But What para receber os posts semanais via e-mail)

CONTINUAR LENDO

Deixe um comentário

48 Comentários em "O Paradoxo de Fermi"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
thadeu
Visitante
acredito que nós não temos parâmetro para determinar inteligência, pelo fato de nós nos autoproclamar como inteligentes; na verdade somos seres conscientes com alguns picos de inteligência, tendo em vista que utilizamos vários experimentos de várias pesquisas anteriores para concluirmos alguma invenção útil; ou seja (juntamos os vários picos de inteligência ) para avançarmos em alguma área tecnológica; assim como os animais que possuem o instinto com alguns picos de consciência; portanto, um animal quando lhe é oferecido um ” petisco” para realizar certas tarefas eles aprendem (picos de consciência) que realizando a tarefa ganharão o “petisco” ; resumindo: os… Read more »
Gabriel
Visitante
Minha teoria é que nós estamos vivendo no processo de colonização que é citado no começo do artigo. E nós somos a civilização super-predadora do universo. E que nos visitam sempre quando é possível, mas devem ser tantos planetas já fertilizados que o nosso só é visitado raramente, dão uma tecnologia ou outra, analisam os dados de evolução, implantam um ou outro humano evoluído (isso explicaria a existência de grandes gênios que sozinhos evoluiram MUITO a humanidade), dependendo do estágio de evolução deles até mesmo reparam algo no sistema solar como um explosão iminente ou esgotamento de recursos e partem… Read more »
Carlos
Visitante

E se houvessem mais de um “grande filtro”? Quer dizer, se há a possibilidade de um, há a possibilidade de vários.

dholanda1977@gmail.com
Visitante

acredito que o grande filtro esteja à nossa frente e bem próximo, o colapso do planeta natal, a terra não passará dos próximos 5 bilhões de anos, o sol em vai se tornar uma gigante vermelha e a engolirá antes disso, se a humanidade não conseguir se desenvolver tecnologicamente pra viagens espaciais nesse período pra outros planetas e sobreviver em outro mundo, ela acabará

Holanda
Visitante

civilizações do tipo 3, poderia usar apenas a mente pra se comunicar, em uma linguagem diferente, variações de radiações, por exemplo

wpDiscuz