Nossa vida radioativa

0
381
Trabalho de arte por Sandbox Studio, Chicago com Anna Kova.

Artigo traduzido de Symmetry Magazine. Autor: Chris Patrick.

Um núcleo atômico excessivamente cheio simplesmente não pode se manter.

Quando um átomo tem muitos prótons ou nêutrons, é inerentemente instável. Embora possa aguentar firme por um tempo, eventualmente, ele não pode se manter por mais tempo e de forma espontânea decai, atirando energia na forma de ondas ou partículas.

O resultado final é um núcleo menor, mais estável. As ondas e as partículas criadas são conhecidas como radiação, e o processo de degradação nuclear que as produz é chamado de radioatividade.

A radiação é uma parte da vida. Há elementos radioativos na maioria dos materiais que encontramos diariamente, que constantemente nos pulverizam com radiação. Para o americano comum, isso resulta em uma dose de cerca de 620 millirems de radiação todo ano. Isso é aproximadamente equivalente a 10 raios-X abdominais.

Os cientistas usam a unidade millirem para expressar o quanto uma dose de radiação danifica o corpo humano. A pessoa recebe 1 millirem durante um voo de um lado a outro dos EUA.

Mas de onde exatamente vem a nossa dose anual de radiação? Olhando para as fontes, podemos dividir a dose em duas partes quase iguais: cerca de metade vem da radiação de fundo natural e metade é proveniente de fontes artificiais.

Radiação de fundo natural se origina no espaço, na atmosfera, no solo e nos nossos próprios corpos. Há radônio no ar que respiramos, rádio na água que bebemos e elementos radioativos diversos nos alimentos que comemos. Alguns deles atravessar nossos corpos sem muita dificuldade, mas outros são incorporados em nossas moléculas. Quando os núcleos eventualmente decaem, nossos próprios corpos nos expõe a doses pequenas de radiação.

“Nós estamos expostos a radiação de fundo, quer queiramos ou não”, diz Sayed Rokni, oficial de segurança radiológica e chefe do departamento de proteção contra as radiações no SLAC National Accelerator Laboratory. “Isso acontece, não importa o que façamos. Eu não aconselharia isso, mas podemos optar por não ter raios-X dentais. Porém não podemos escolher não ser expostos à radiação terrestre – radiação que proveniente da crosta da Terra, ou a partir de radiação cósmica”.

Mas isso não é motivo para pânico.

“A espécie humana, e tudo o que nos rodeia, tem evoluído ao longo dos séculos enquanto recebe a radiação de fontes naturais. Ela nos formou. Então, claramente, há um nível aceitável de radiação”, diz Rokni.

Qualquer radiação que não é considerada de fundo provém de fontes artificiais, principalmente por meio de procedimentos médicos de diagnóstico ou terapêuticos. No início de 1980, os procedimentos médicos foram responsáveis por 15% da exposição à radiação anual de um americano – eles agora respondem por 48%.

“A quantidade de radiação natural de fundo continua a mesma”, diz Don Cossairt, gerente de proteção contra as radiações do Fermilab. “Mas a radiação de procedimentos médicos floresceu, talvez correspondendo às grandes melhorias no tratamento de muitas doenças”.

O crescimento no uso de imagens médicas aumentou a exposição anual do americano de 360 millirems em 1980 para 620 millirems hoje. A média anual de hoje não é considerada nociva para a saúde por qualquer autoridade reguladora.

Enquanto procedimentos médicos compõem a maior parte da radiação artificial que recebemos, cerca de 2% da dose anual vem da radiação emitida por alguns produtos de consumo. A maioria destes produtos estão, provavelmente, na sua casa no momento. Basta examinar a cozinha e encontrar uma cornucópia de itens que emitem radiação suficiente para detectar com um contador Geiger, de produtos feitos pelo homem a alimentos naturais.

Há castanha do Pará em sua despensa? Elas são o alimento mais radioativo que existe. As raízes das castanheiras vão muito para baixo no solo, e no subsolo, onde há mais rádio, absorve esse elemento radioativo e o passa para as castanhas. A castanha do Pará também contêm potássio, que ocorre conjuntamente com o potássio-40, um isótopo radioativo que ocorre naturalmente.

O Potássio-40 é o elemento radioativo mais prevalente nos alimentos que nós comemos. As bananas cheias de potássio são bem conhecidas por sua radioatividade, tanto que o valor de radioatividade de uma banana é usado como uma medida informal de radiação, chamada Banana Equivalent Dose (BED). Um BED é igual a 0,01 millirem. A radiografia de tórax tem algo em torno de 200 a 1000 BED. A dose fatal de radiação é de cerca de 50 milhões BED de uma só vez.

Alguns outros petiscos contendo potássio-40 que emitem radiação incluem cenouras, batatas, feijão roxo, feijão lima e carne vermelha. Só entre alimentos e água, a pessoa recebe em média uma dose anual de cerca de 30 millirem. Isso são 3000 bananas!

Mesmo o prato em que você está comendo pode estar te dando uma ligeira dose de radiação. O esmalte de algumas cerâmicas mais velhas contém urânio, tório ou o bom e velho potássio-40 para torná-lo colorido, especialmente a cor vermelho-alaranjado feito antes de 1960. Da mesma forma, alguns antigos copos amarelados e esverdeados contém urânio como corante. Embora esta louça faça um contador Geiger apitar, ainda é seguro para ser usada.

Seu detector de fumaça, que geralmente paira silenciosamente no teto até que suas baterias morram, é radioativo também. É assim que ele pode salvá-lo de um prédio em chamas: uma pequena quantidade de amerício-241 no dispositivo permite detectar quando há fumaça no ar.

“Não é perigoso, a menos que você bata nele com um martelo para liberar a radioatividade”, diz Cossairt. A Associação Nuclear Mundial observa que o dióxido de amerício encontrado em detectores de fumaça é insolúvel e iria “passar através do trato digestivo sem deixar dose significativa de radiação”.

As bancadas de granito também contêm urânio e tório, que decai para o gás radônio. A maior parte do gás fica preso na bancada, mas alguma quantidade pode ser liberada e adicionar uma pequena quantidade no nível de radônio de uma casa – que vem principalmente do solo.

O granito não apenas emite radiação no interior da casa. As pessoas que vivem em áreas com mais rocha de granito recebem uma dose extra de radiação por ano.

A exposição à radiação anual varia significativamente dependendo de onde você mora. Pessoas em altitudes mais elevadas recebem uma maior dose de radiação vinda do espaço por ano.

Mas não se preocupe se você vive em um local com muita altitude e granito, como Denver, Colorado. “Nenhum efeito para a saúde devido à exposição à radiação já foi correlacionado com as pessoas que vivem em altitudes mais elevadas”, diz Cossairt. Da mesma forma, ninguém notou uma correlação entre a saúde e o aumento da dose de radiação das rochas de granito nos ambientes.

Não importa se você vive em altitudes elevadas ou no nível do mar, nas montanhas rochosas ou na costa leste de Maryland – a radiação está em toda parte. Mas doses anuais de fundo e de fontes artificiais não são suficientes para se preocupar. Então aproveite a sua banana e sinta-se livre para pegar outro punhado de castanhas do Pará.

Abra a imagem para visualiza-la em melhor definição.

CONTINUAR LENDO

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz