Equação de Drake para a vida alienígena recebe um upgrade

1
3108

Publicado na New Scientist

O Telescópio Espacial Kepler parece condenado, mas suas descobertas junto com uma nova versão da famosa equação de Drake prometem aguçar a busca pela vida extraterrestre.

Uma ferramenta “chave” na busca de vida extraterrestre está recebendo um upgrade em pleno século XXI – assim como nosso melhor telescópio “caçador de planetas” parece estar morto. Embora a perda do telescópio Kepler da NASA seja um golpe, a reinicialização pode significar que podemos encontrar sinais de vida em planetas extra-solares dentro de uma década.

A nova ferramenta tem a forma de uma equação. Em 1961, o astrônomo Frank Drake rabiscou sua famosa equação para calcular o número de civilizações detectáveis na Via Láctea. A equação de Drake inclui uma série de termos que na época parecia irreconhecível – incluindo a existência dos planetas fora do nosso sistema solar.

Mas nas duas últimas décadas temos encontrado exoplanetas como ervas daninhas, particularmente nos últimos anos graças em grande parte ao telescópio espacial Kepler. Lançado em 2009, Kepler descobriu mais de 130 mundos e detectou a possibilidade de 3000 ou mais planetas. A recompensa deu aos astrônomos o primeiro censo adequado de planetas em uma região da nossa galáxia, o que nos permite fazer estimativas da população total de mundos de vida ecológicas na Via Láctea.

Com esse tipo de dados em mãos, Sara Seager, no Instituto de Tecnologia de Massachusetts reconhece que a equação de Drake é propícia para uma reformulação. Sua versão restringe alguns métodos de nossas novas e melhores apostas para encontrar vida, com base, em parte, no que Kepler revelou. Se a equação de Drake original era um machado, a nova equação de Seager é um bisturi.

Seager apresentou seu trabalho nesta semana em uma conferência em Cambridge, Massachusetts, intitulado “Exoplanets in the Post-Kepler Era”. O momento não poderia ser melhor. Na semana passada, Kepler sofreu uma falha de hardware que fez com que a sua capacidade de ver claramente sinais planetários parasse. Se a falha não conseguir ser corrigida, a missão definitivamente acaba.

“Quando nós falamos sobre a era pós-Kepler, nós pensamos que seria de três a quatro anos a partir de agora”, co-organizador David Charbonneau, do Centro Harvard-Smithsonian de Astrofísica, disse na semana passada. “Sabemos agora que a era pós-Kepler provavelmente começou há dois dias.”

Mas Kepler coletou dados durante quatro anos, um pouco mais do objetivo original da missão, e até agora somente os 18 primeiros meses foram analisados. Isso significa que ele já pode ter recolhido informações suficientes para dar uma chance (positiva) aos caçadores de alienígenas.

A equação original de Drake inclui sete termos, que multiplicados juntos dão o número de civilizações alienígenas inteligentes que poderíamos esperar para detectar.

Atualização da Equação de Drake
Kepler fecha dois termos: a fração de estrelas que tem planetas, e o número desses planetas que sejam habitáveis.

Para isso, Kepler estava olhando com firmeza em cerca de 150.000 estrelas próximas à constelação de Cygnus, procurando por mudanças periódicas no brilho causado por um cruzamento planetário, ou trânsito, o “rosto” de uma estrela quando visto da Terra. Este método diz-nos o tamanho de um planeta e sua distância aproximada de sua estrela hospedeira (estrela-mãe).

Size dá uma pista para a composição de um planeta, o que nos diz se ele é rochoso como a Terra ou gasoso do Netuno. Antes de Kepler, poucos exoplanetas haviam sido identificados como pequeno o suficiente para ser rochoso, porque outros métodos de pesquisa eram mais adequados para detectar manchas maiores, e mundos gigantes de gás.

“Kepler é o único projeto revolucionário que já foi realizado em exoplanetas”, disse Charbonneau. “Ele quebrou o cofrinho e os planetas rochosos derramaram”. Distância de um planeta em relação a sua estrela também é crucial, porque isso nos diz se a temperatura é idela para existir água em estado líquido – e assim talvez a vida – de existir.

Mas, com os recentes problemas de Kepler, as esperanças de encontrar planetas potencialmente habitáveis, ou gêmeos da Terra, para satisfazer a equação de Drake tem enfraquecido.  A missão deveria funcionar por três anos e meio, que deveria ter sido o suficiente para detectar planetas do tamanho da Terra, com anos de um período similar. Depois que o telescópio veio em linha, a equipe de missão percebeu que outras estrelas como o Sol, são mais ativas do que o nosso, e eles saltam em torno de um demasiado campo de visão do telescópio. Para encontrar Terras suficientes, eles precisariam de sete ou oito anos de dados.

Foi um alívio quando a missão foi prorrogada até 2016, e um golpe quando o telescópio falhou na semana passada. A NASA tem algumas ideias de última hora para reviver a missão, mas provavelmente o telescópio está morto.

O investigar principal do Kepler, William Borucki, está otimista de alguns gêmeos da Terra em torno do Sol, como estrelas se escondem nos dados existentes. “Sóis como estrelas” não são os únicos que podem hospedar planetas habitáveis. A equação de Seager se concentra em estrelas anãs vermelhas, que são menores e mais frias do que o Sol. Isso torna mais fácil para detectar planetas rochosos ao redor delas, na distância certa para a vida, porque os planetas têm órbitas mais apertadas, mais “breves”. Além do mais, as anãs vermelhas são as estrelas mais comuns na nossa galáxia: projeções com base em dados do Kepler sugere que um mundo do tamanho da Terra, habitável, mais próximo poderia orbitar uma anã vermelha tão perto quanto 6,5 anos-luz de distância.

Ainda melhor, será mais fácil para investigar esses planetas com ênfase nos gases associados com a vida, porque as órbitas mais apertadas significam que mais luz da estrela filtrará através da atmosfera de um planeta a caminho para nós, pegando pistas reveladoras de sua composição. O objetivo da Seager é encontrar a fração de mundos habitáveis, do tamanho da Terra em nossa vizinhança galáctica com “biosignatures” atmosféricas detectávies – em outras palavras, mundos habitados. Ela já colocou o número de planetas habitados que o telescópio espacial James Webb pode ver.

“Assim como é com a equação de Drake, alguns dos termos são sempre especulativos”, diz Seager.

É possível que o trabalho nos levará  a descobrir nossos vizinhos cósmicos ao lado? “É claro que eu acho que é possível. Porque se não achasse, eu estaria trabalhando tão duro?”, diz ela.

Se Seager, ou outra pessoa detectar “biosignatures”, gostaríamos de passar mais tempo olhando para esses lugares em busca de algum indício de inteligência, diz Jill Tarter do Instituto SETI. “Você sabe que um mundo habitado, não é apenas um mundo habitável. E, em seguida, você pode fazer a pergunta, eles desenvolveram uma tecnologia que poderíamos detectar?”

Este artigo apareceu na imprensa sob o título “Alien hunting for the 21st century”.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorJovem pesquisador de Marília estuda vida em outros planetas na NASA
Próximo artigoGravidade quântica leva a singularidade dos buracos negros
Graduando em Filosofia (2014) pela Universidade de Franca (UNIFRAN); estágio de iniciação científica em Microbiologia com enfoque em Astrobiologia (2016) pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP); estudante da disciplina de Filosofia da Mecânica Quântica de pós-graduação (2016) pela Universidade de São Paulo (USP); experiência na área de Divulgação Científica com enfoque em Ciências Planetárias (Astronomia e Astrobiologia) e em Ciências Cognitivas (Neurociência e Psicologia); fundador da Organização Universo Racionalista (UR); colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade (IERFH); membro-estudante da Rede Brasileira de Astrobiologia (RBA). Tem interesse nas áreas de Astronomia, Astrobiologia, Biologia Evolutiva, Física, Filosofia da Ciência, História da Ciência, Microbiologia, Neurociência, Psicobiologia e Sociologia da Ciência. Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes.

Deixe um comentário

1 Comentário em "Equação de Drake para a vida alienígena recebe um upgrade"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Dheek Almeida
Visitante

tipo, admirável não compreendermos nem a nossa própria existência por completo e mesmo assim procurarmos vidas complexas ou similares as nossas em distâncias consideráveis como o espaço. enfim, perspectiva sempre será um combustível pra tudo

wpDiscuz