Efeito Forer (principal responsável pela crença em pseudociências)

12
8692
Na imagem, Phineas Taylor Barnum, famoso por disseminar fraudes.

O efeito Forer se refere à tendência que indivíduos têm para avaliar conjuntos de preposições como altamente precisas para eles pessoalmente, mesmo que as declarações possam ser aplicadas a uma enorme quantidade de pessoas.

O psicólogo Bertram R. Forer (1914-2000) encontrou que as pessoas tendem a aceitar descrições pessoais vagas e gerais como exclusivamente aplicáveis a elas mesmas sem perceber que a mesma descrição pode ser aplicada não apenas para uma pessoa, mas para várias. Considere o seguinte texto como uma avaliação de sua personalidade:

“Você tem uma necessidade de outras pessoas gostarem e admirarem você e, ainda assim, você tende a criticar a si mesmo. Enquanto você tem algumas fraquezas de personalidade, você é geralmente capaz de compensá-las. Você tem capacidades que não usa frequentemente, mas que te ajudam. É disciplinado e controlado por fora e preocupado e inseguro por dentro. Algumas vezes, você tem sérias dúvidas sobre se você fez a decisão certa ou a coisa certa. Você gosta de mudanças e fica insatisfeito quando sofre de restrições e limitações. Ademais, você ainda se orgulha por ser um pensador independente, e não aceita afirmações de outros sem que eles provem. Porém, você se acha imprudente a ser sincero e a se revelar para as pessoas. Algumas vezes, é extrovertido, afável e sociável, enquanto, outras vezes, é introvertido, cauteloso e reservado. Algumas de suas aspirações tendem a ser irreais”

Forer deu um teste de personalidade para seus estudantes, ignorou as suas respostas e deu a cada estudante uma avaliação de personalidade e pediu para que os estudantes analisassem a avaliação com uma nota de 0 a 5, com 5 para “excelente” e 4 para “boa”. A média da sala foi de 4,26. Isso foi em 1948. O teste foi repetido centenas de vezes com estudantes de psicologia e a média das notas continuou entre 4,2 e 5, ou 84% de precisão.

Resumindo, Forer convenceu as pessoas que ele poderia ler as suas características com sucesso. A sua precisão impressionou os seus alunos, achando que a análise de sua personalidade foi feita com astrologia (a conclusão mais tola possível). O efeito Forer parece explicar, em parte, porque muitas pessoas acham que pseudociências funcionam. Astrologia, astroterapia, bioritmo, cartomancia, quiromancia, grafologia, rumpologia, eneagrama, etc., parecem funcionar porque elas parecem prover previsões acuradas em uma análise de personalidade. Estudos científicos dessas pseudociências demonstram que elas não são instrumentos de validade de personalidade, ainda que cada uma satisfaça sujeitos que se convencem facilmente.

As explicações mais comuns dadas para o efeito Forer são relacionadas à esperança, ao pensamento positivo e à vaidade, enquanto o próprio Forer relacionou o efeito à credulidade. Pessoas tendem a aceitar aclamações sobre elas em proporção do seu desejo de que seja verdade e não em proporção de que haja alguma precisão empírica. Mesmo que desconfiemos, nós tendemos a aceitar reivindicações falsas ou questionáveis sobre nós se considerarmos-las positivas ou lisonjeiras o suficiente. Sujeitos que procuram conselhos de paranormais, médiuns, cartomantes, leitores de mente, grafologistas, etc., irão frequentemente ignorar as afirmações falsas ou questionáveis.

O psicólogo Barry Beyerstein acredita que “a esperança e a incerteza evocam poderosos processos psicológicos, que mantém todos os charlatões de pé”. Nós estamos constantemente tentando “dar sentido a uma enxurrada de informações desconexas do nosso dia-a-dia” e “nós nos tornamos tão bons nisso que damos sentido a muitas coisas que, na verdade, não têm sentido. Nós, usualmente, iremos preencher as lacunas e prover uma figura coerente do que nós ouvimos e vemos, mesmo que seja vaga, confusa, obscura, inconsistente e, muitas vezes, ininteligível quanto ao caráter empírico. Médiuns paranormais, por exemplo, irão perguntar muitas perguntas ambíguas e desconexas em uma rápida sessão que dão impressão que sabem de toda a vida do cliente. Na verdade, os paranormais não precisam de nenhum inshgt da vida pessoal do sujeito, eles só precisam ter destreza em leitura fria.

David Marks e Richard Kamman argumentam que:

“Uma vez que uma crença ou expectativa é achada, especialmente uma de incerteza desconfortável, o observador é motivado a notar uma nova informação que confirma a crença e a ignorar as evidências contrárias. O mecanismo consolida o erro original e constrói uma exacerbada confiança, onde os argumentos dos oponentes são vistos como fragmentados de mais para contradizer o que foi proposto”

Ter um conselheiro pseudocientífico pode fazer um cliente cair em armadilhas que podem, facilmente, liderá-lo a acreditar mais ainda no que eles falam.

Barry Beyerstein sugere que o teste a seguir para determinar se a validade aparente das pseudociências mencionadas se devem ou não ao efeito Forer, viés de confirmação ou outros fatores psicológicos. (NOTA: o teste proposto também usa validação subjetiva ou pessoa e não pretende testar a acuracidade de nenhuma ferramenta de avaliação de personalidade, e sim tem a intenção de contraria a tendência de auto-engano sobre esses assuntos):

“… um bom teste tem de, primeiramente, ler friamente um grande número de clientes e retirar os nomes dos perfis (codificando-os para que pudessem ser devolvidos aos seus donos). Depois de ler os esboços de personalidade anônimos, os clientes deveriam escolher qual os descreveu corretamente. Se o leitor acertou na maioria, então os membros do grupo excederam as chances de escolher alguma descrição de sua própria personalidade”

Beyerstein nota que “nenhum método de leitura oculto ou pseudocientífico passou, com sucesso, pelo teste”

O efeito Forer, entretanto, explica apenas parcialmente o porquê de muitas pessoas aceitarem as suas leituras de personalidade ocultas e pseudocientíficas. Leitura fria, pensamento seletivo e reforço social também são adjacentes às ilusões. Também, deve ser admitido que enquanto muitas das afirmações de uma leitura pseudocientífica são vagas e gerais, algumas são específicas. Algumas delas podem ser precisas. Um certo número de afirmações como essas podem ter algum grau de verdade, mas nenhum grau empírico.

Traduzido e adaptado de:

http://www.skepdic.com/forer.html

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorO critério de demarcação de Mario Bunge: Ciência e Pseudociência
Próximo artigoDia Mundial da Filosofia
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 17 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para os sites das organizações Universo Racionalista, Ciência e Astronomia, Climatologia Geográfica e NetNature, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, as que mais simpatizo em postar são aquelas que contradizem o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me torna digno de ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.

Deixe um comentário

12 Comentários em "Efeito Forer (principal responsável pela crença em pseudociências)"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Alexandre
Visitante

Amigo Josikwylkson, gostei muito de ler sobre o efeito Forer. Obrigado por traduzir o texto!
Na sua autobiografia você reclama de falta de credibilidade. Concordo com você: são críticas injustas! Você está de parabéns por ler, traduzir e compartilhar textos interessantes sobre assuntos densos, citando inclusive as fontes originais. Mas vai uma dica para melhorar credibilidade: revise os erros de digitação. Nada grita mais alto contra a credibilidade do que erros de português. Erros de digitação são os mais comuns e mais facilmente perdoáveis, mas ainda assim passam ideia de descaso.
Abraços.

Sisie
Visitante

Sempre me juguei neutra e racional. Logo, nunca acreditei em nenhuma pseudociência , oráculo, ou emocultismo. Porém comecei a identificar em grupos de pessoas e em mim msm, certas características em comum. Acredito que essa parte da astrologia(características de signo) nada mais é que analises de comportamento e fatores biológicos, naturais.

Alexandre
Visitante

Essa história de signos… vc vai num site desses pega o texto de sei lá, aquário e envia pra alguém sei lá de touro, ele vai concordar e se identificar com o texto pq cada texto de cada signo foi feito pra todo mundo se identificar em algo é disso que o texto diz esse efeito.

Gustavo
Visitante

Errado. Não coloque astrologia dentro de análise de comportamento e de fator biológico, deixe isso para os biólogos e psicólogos, parece que você mesmo sendo racional não quer abrir mão do charlatanismo da astrologia.
Não existe alguma evidência testável de que astros influenciam no comportamento dos seres humanos.

Marcia
Visitante

Putz. Amei sua descriçao!!! Show!! Hahahaha

Lucas Araújo
Visitante

Cara, muito bom seu texto!

Henio
Visitante

O cara da foto é: Phineas Taylor Barnum.

Clayton Bonfim Lima
Visitante

Achei que era o pai do John C Reilley XD!

Josikwylkson Costa Brito
Visitante

Obrigado

wpDiscuz